Pode o conhecimento em gestão e organização falar português?

Can management and organization knowledge speak Portuguese?
¿Puede el conocimiento en gestión y organización hablar portugués?
Citar

APA

Rosa, A. R., Alves, M. A. (2011). Pode o conhecimento em gestão e organização falar português?. RAE-Revista de Administração de Empresas, 51(3), 255-264. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902011000300006

ABNT

ROSA, A. R.; ALVES, M. A. Pode o conhecimento em gestão e organização falar português?. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 51, n. 3, maio-jun, p.255-264, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902011000300006

Mario Aquino Alves - FGV/EAESP - Other articles of this author

O objetivo deste artigo é questionar se o conhecimento em gestão e organização (CGO) pode falar um idioma diferente do Inglês e discutir como a hegemonia deste idioma no campo científico tem contribuído para a reprodução da mesma lógica colonial que por séculos impediu os nativos de produzirem sentido acerca do que pensavam, falavam e escreviam. Mostramos que o principal instrumento de poder que garante esta hegemonia é o controle dos critérios de publicação e circulação do CGO, que tende a marginalizar tudo o que é produzido fora da base linguística controlada pelo Norte. O principal efeito desta lógica é a submissão dos pesquisadores nativos ao controle do Norte, colocando-os na condição subalterna, condenados em sua própria terra a operar segundo uma lógica externa, que define o que é e o que não é conhecimento científico de qualidade na área de gestão e organização.

This paper’s objective is to question whether management and organization knowledge (MOK) is able to speak a language other than English and discuss how the hegemony of this language in the scientific field has contributed to the reproduction of the same colonial logic that for centuries prevented native peoples from making sense of what they thought, spoke and wrote. We show that the main instrument of power that guarantees this hegemony is control over the criteria used for the publication and circulation of MOK, which tends to marginalize everything that is produced outside the linguistic basis controlled by the North. The main effect of this logic is that native researchers to submit to control by the North; they find themselves in a subaltern position, condemned in their own country to operate under an external logic that defines what is and what is not quality scientific knowledge in the management and organizational field.

El objetivo de este artículo es cuestionar si el conocimiento en gestión y organización (CGO) se puede hablar un idioma diferente del Inglés y discutir cómo la hegemonía de este idioma en el campo científico hay contribuido para la reproducción de la misma lógica colonial que por siglos impidió los nativos de produjeren sentido acerca de lo que pensaban, hablaban y escribían. Mostramos que el principal instrumento de poder que garantiza esta hegemonía es el control de los criterios de publicación y circulación del CGO, que tiende a marginar todo lo que es producido fuera de la base lingüística controlada por el Norte. El principal efecto de esta lógica es la sumisión de los investigadores nativos al control del Norte, poniéndoles en una condición subalterna, condenados en su propio territorio a operaren según una lógica externa, que es la que define lo que es y lo que no es conocimiento científico de cualidad en el área de gestión y organización.

Pós-colonialismo, produção científica, translocalidade, conhecimento científico, língua Inglesa.
Post-colonialism, scientific production, translocality, scientific knowledge, English language.
Postcolonialismo, producción científica, translocalidad, conocimiento científico, lengua Inglesa.
Num. Páginas: 
255-264

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede